Detalhe

Escolas recebem aval para manter o ensino remoto no ano que vem

11/12/2020 | Por: Estado de Minas | 2073
Foto: PMCF/Divulgação

A surpresa dos dirigentes de instituições federais quanto à Portaria 1.030 do Ministério da Educação (MEC), determinando a retomada do ensino presencial, primeiramente a partir do mês que vem e, por último, em março, não é para menos. Em vez de sacramentar a volta, o que se esperava era justamente o contrário: o aceno do governo para a continuidade das atividades remotas, que finalmente ocorreu ontem. O ministro Milton Ribeiro homologou o Parecer 19/2020 do Conselho Nacional de Educação (CNE), dando passagem para essa modalidade de ensino até dezembro de 2021. O despacho foi publicado no Diário Oficial da União (DOU). A norma vale não só para o ensino superior, mas também para a educação básica em todo o país, das redes pública e privada.

“Não sabemos ainda quando as escolas terão condição de funcionar normalmente. Vão começar 2021 seguindo protocolos sanitários. Então, decidimos estender o ensino remoto até o fim de dezembro para que as instituições possam retomar as aulas presenciais com atividades complementares fora dessa modalidade. E também com o objetivo de garantir a possibilidade de escolas ampliarem o turno escolar com atividades não presenciais para repor conteúdos que não tenham sido oferecidos em 2020, principalmente”, explica a relatora do parecer e presidente do CNE, Maria Helena Guimarães Castro. A norma atual, que valida atividades a distância durante a pandemia, expira no próximo dia 31. O parecer recomenda ainda a continuidade curricular numa dobradinha 2020-2021 e a não reprovação dos alunos este ano.

O documento cria as bases para a continuidade pedagógica a distância a alunos de estabelecimentos que não puderem reabrir e dá fôlego também àqueles que reencontrarão a sala de aula, abrindo caminho para as escolas oferecerem atividades presenciais num turno e não presenciais em outro, além de permitir a alternância de turmas entre os dois modelos. “Apenas 30% das escolas estão voltando. Para reorganizar dentro dos protocolos, é preciso diminuir o número de alunos em sala. Além disso, mesmo estudando em tempo integral o aluno pode complementar a atividade presencial.”

Maria Helena lembra que protocolos e aspectos pedagógicos são ditados pelos municípios, mas o parecer dá a eles condições de oferecer atividades não presenciais para serem registradas devidamente, e sempre seguindo a Base Nacional Comum Curricular (BNCC). “Recomendamos ainda que as escolas revisem seus currículos para o ano que vem de modo a selecionar os objetivos de aprendizagem e habilidades mais essenciais, sem se preocupar em oferecer todo o currículo previsto, além da formação contínua de professores para uso de tecnologia”, avisa.

A presidente do CNE diz ainda que há “enorme preocupação” com a situação de Belo Horizonte, a única capital em que o ensino municipal não aderiu ao modelo remoto. “É absurdamente equivocada a decisão do conselho e do prefeito. Não há no país cidade de mais de 100 mil habitantes que não ofereceu nada aos seus alunos. BH é exceção e, nesse caso, é difícil falar em 2020 e 2021 conjugados, pois o 2020 da rede municipal, simplesmente, não aconteceu”, afirma. Em nota sobre a diferença de desempenho das escolas municipais, a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) afirma que na ocasião da retomada das aulas “o ensino certamente será híbrido e cada grupo de alunos terá tempo presencial ou acesso digital, conforme suas possibilidades socioeducacionais”.
 
Graduação

A homologação dá força às federais para manterem o modo remoto. Diante da Portaria 1.030 determinando a volta às salas de aula em todos os estabelecimentos federais de ensino a partir de março, vários deles já avisaram que a suspensão das atividades presenciais está mantida. Em Minas, esse é o caso das universidades federais de Minas Gerais (UFMG), dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), de Juiz de Fora (UFJF) e de Viçosa (UFV), ambas na Zona da Mata, do Triângulo Mineiro (UFTM). E ainda da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ), no Campo das Vertentes, onde o reitor, Marcelo Pereira de Andrade, garantiu “que a comunidade acadêmica jamais será colocada em risco”.

Do lado das particulares, “o setor é majoritariamente favorável a que se estenda a possibilidade de uso remoto por mais um tempo”, segundo o presidente da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (Abmes), Celso Niskier. Para ele, não há dúvidas da necessidade da expansão para assegurar as condições, até mesmo, do retorno. “Com flexibilidade de um modelo híbrido (presencial e remoto), as unidades poderão reabrir com os cuidados necessários para garantir a saúde da comunidade. Manter aulas remotas é essencial para o retorno gradual de atividades essenciais”, diz.

Niskier afirma que o modelo a ser adotado por muitos estabelecimentos de ensino superior será o que se chegou a adotar nas universidades da França, por exemplo, antes do reconfinamento: 50% dos alunos em modo presencial e 50% a distância. “Modelos criativos e inovadores estão surgindo para lidar com a pandemia e são necessários amparo legal, garantia da qualidade e flexibilidade para as instituições voltarem da melhor forma”, afirma. Dessa forma, mesmo a parte prática poderia ser feita com atividades de simulação e outros recursos tecnológicos. “O setor (das particulares) valoriza as atividades presenciais e isso não vai mudar com a pandemia. Em muitas universidades e faculdades há incerteza quanto à garantia de segurança sanitária de sua comunidade.”

A quinta fase da pesquisa “Coronavírus e ensino superior: o que os alunos pensam”, elaborada pela Educa Insights em parceria com a Abmes, mostra uma demanda reprimida, para 2021, de 30,7% de alunos que tinham planos de ingressar no ensino superior no segundo semestre deste ano.


Conteúdo Relacionado

Notícias

Crise econômica e sanitária põe universidades em compasso de espera

O objetivo agora é não pagar para ver o resultado da perigosa mistura de incertezas quanto à pandemia, cenário econômico desfavorável: o adiamento do Enem

Projeto suspende decisão do MEC sobre retorno das aulas presenciais nas universidades

Portaria prevê início do calendário em março nas instituições de ensino superior

MEC autoriza aulas não presenciais até dezembro de 2021

Ministro homologou parecer do Conselho Nacional de Educação

MEC autoriza ensino remoto enquanto durar pandemia

Depois de recusa inicial, ministro Milton Ribeiro voltou atrás e acabou homologando resolução do conselho que permite que as escolas deem aulas online também em 2021

"Universidades precisam voltar de forma gradual e segura", diz presidente da ABMES

MEC autoriza a volta das atividades presenciais nas faculdades públicas e privadas em todo o país em março de 2021. Presidente da ABMES diz que as universidades precisam voltar de forma "gradual e segura".

Após nova portaria do MEC, Ufes diz que retorno das atividades presenciais será "gradual e seguro"

MEC estabeleceu que as instituições de ensino superior deverão retomar as aulas presenciais a partir de 1º de março de 2021, desde que sigam os protocolos de prevenção da Covid-19.

MEC adia retomada de aulas presenciais em universidades para 1º de março

Nova data foi definida em portaria publicada em edição extra do Diário Oficial da União dessa segunda-feira

Após críticas, MEC recua e adia para março volta das aulas presencias nas universidade

Sem ouvir dirigentes das instituições, ministro Milton Ribeiro queria retorno das atividades para o dia 4 de janeiro

MEC anuncia nova data para retorno das aulas no Ensino Superior

MEC voltou atrás e estabeleceu retorno das aulas presenciais a partir de 1º de março para instituições de ensino superior públicas e privadas. A nova portaria ainda determina que o ensino remoto integral só deve ser adotado quando governos locais suspenderem as aulas presenciais ou quando houver risco para alunos e professores.

Ministério da Educação adia para 1° de março a retomada das aulas presenciais nas universidades federais

Nova portaria foi publicada nesta segunda-feira (07/12) e define adia retorno de janeiro para março nas instituições de ensino superior

Universidades e associações ainda analisam retorno de aulas presenciais

Ministro da Educação divulgou que volta aos campus está marcado para o dia 1° de março de 2021. Entidades veem dificuldades

MEC confirma volta às aulas em março e afirma que federais concordam com a medida

MEC afirma que maioria das universidades quer volta às aulas

MEC muda previsão e adia volta às aulas presenciais em universidades para 1º de março

Portaria anterior previa retorno em 4 de janeiro. Substituição de atividades por meios digitais ocorrerá até 28 de fevereiro - mas, dependendo da situação sanitária, prazo poderá ser modificado pelo gestor local.

MEC se reúne com reitores para discutir retorno das aulas presenciais

Milton Ribeiro recebeu representantes | Pediram homologação de parecer do CNE | Texto estabelece ensino remoto até 2021

Ministro da Educação se reúne com reitores para discutir a volta às aulas nas universidades

Na quarta (2), o MEC publicou uma portaria determinando que as atividades de ensino superior deverão ocorrer a partir de janeiro de forma presencial, observando o protocolo de biossegurança para evitar o contágio pelo coronavírus. Houve forte reação das instituições de ensino superior.

Mais de 80% das instituições de ensino superior têm autorização para retorno das atividades presenciais

ABMES monitora decisões em todas as unidades federativas para volta às aulas

CNE edita normas educacionais a serem adotadas durante a pandemia da Covid-19

Deliberação do Conselho regulamentou a Lei nº 14.040, de 18 de agosto de 2020

Conselho de Educação permite aula remota até fim de 2021 no ensino básico e no superior

Flexibilização valerá em instituições públicas e particulares

Com veto articulado pelo Fórum, Governo Federal sanciona MP que flexibiliza ano letivo

A ABMES, em articulação com o Fórum, atuou ativamente para evitar que o ProUni fosse impactado por uma normatização que em muito prejudicaria todo o setor

Adiamento do Enem prejudica sonho de 3,5 milhões de alunos no país

Esse é o número de estudantes que devem buscar vaga em universidades privadas, mas precisam de resultado do exame, previsto para março de 2021